Minhas Opiniões

Escrever um livro sobre o cachimbo numa época de campanhas contra o fumo poderia parecer coisa muito atrevida aos não-fumantes, mas este livro é para os fumantes inveterados de cigarro, aqueles que não conseguem ou não querem parar de fumar, para aqueles que já fumam cachimbo e, enfim, para quem, também não sendo fumante, quer documentar-se sobre o cachimbo e suas relações com a vida privada e a história.

Este livro não pretende incentivar o fumo: quem não fuma é melhor que continue não fumando, porque não existe uma maneira de fumar que possa ser considerada sadia, e tanto o cigarro quanto o charuto e o cachimbo têm conseqüências prejudiciais para nosso corpo. Mas, ao mesmo tempo, o cachimbo é menos perigoso que o charuto e o cigarro e pode representar uma alternativa para os grandes fumantes, para ajudá-los a deixar o cigarro.

Conhecer as regras fundamentais para fumar cachimbo pode ajudar a minimizar os riscos para a saúde dos fumantes de cachimbo, como câncer de boca e problemas de dentes e gengivas.

Quem não gosta de fumar, mas apreciaria conhecer mais sobre o mundo dos apaixonados por cachimbo, poderá encontrar alguma resposta útil a suas curiosidades e apreciar um nicho cultural desconhecido: a cultura do cachimbo nas Américas é milenar, ligada à espiritualidade e às religiões.

Creio como muitos outros fumantes, ser justo informar aos fumantes sobre os riscos para a saúde e alertá-los para as conseqüências, mas ao mesmo tempo sou contra o fundamentalismo proibicionista. A lei seca que, a partir de 1920, proibiu nos Estados Unidos a venda e o consumo de álcool, levou a uma das mais perigosas ondas de criminalidade da história e fez brilhar a estrela de Al Capone, que construiu um império baseado no tráfico clandestino. Essa lei não só não diminuiu o número de alcoólatras, mas também aumentou os riscos para a saúde, devido ao consumo de bebida destilada de maneira imprópria, não controlada e não controlável pelas autoridades.

Se acham que ser intolerante com os fumantes, chamando-os de burros e de inimigos da sociedade seja coisa politicamente correta, veja bem e considere que os três principais fascistas da história, Adolf Hitler, Benito Mussolini e Francisco Franco eram todos ferrenhos inimigos do fumo, ao passo que os salvadores da democracia, Winston Churchill e Franklin Delano Roosevelt, eram fumantes respectivamente de charuto e de cachimbo. O nazista alemão achava que o fumo poderia prejudicar a saúde da pura raça ariana e dizia que o tabaco era a vingança do índio contra o homem branco que tinha prejudicado os nativos com o álcool. O pessoal da Gestapo e das SS era estritamente proibidos de fumar, e a única fumaça que o Führer amava era a das chaminés de Auschwitz., Dachau e os outros lugares onde ciganos e judeus eram exterminados.

Proibir o cultivo de tabaco é uma maneira dissimulada para proibir o fumo, facilitando o tráfico de tabaco estrangeiro, possivelmente cultivado com uso de dezenas de pesticidas ou criminosamente adicionado de princípios psicoativos, que poderiam formar novos clientes para o mundo do narcotráfico. Não seria melhor controlar o cultivo e evitar o uso de pesticidas, ajudando os fumicultores também financeiramente a desenvolver métodos de cultivo biológicos que limitem ou excluam o uso de pesticidas?!...

É bom lembrar que o prejuízo para a saúde da maioria dos pesticidas é amplamente documentado e infelizmente atinge também os tomates e as batatas que ninguém sonharia proibir.

Seria também melhor favorecer o fumo do cachimbo, documentadamente menos prejudicial, comparado ao fumo do cigarro, bem mais perigoso, mas o tabaco nacional para cachimbo é de baixa qualidade e a importação do exterior de marcas confiáveis está sendo dificultada com impostos que dissimulam uma vocação proibicionista.

O fumante de cachimbo deve basear-se numa ética de respeito aos outros, evitando fumar não só onde não é permitido, mas também onde, também sendo permitido, possa incomodar os outros. Ademais, o fumante de cachimbo não pode ser questionado sobre sua preferência quanto à escolha da sua qualidade de vida.

Esperando que este livro possa contribuir para a mútua tolerância e para estimular pesquisas sobre o assunto, agradeço a paciência de meus leitores, fumantes e não- fumantes de cachimbo.

Ferdinando Lombardo

quarta-feira, 15 de agosto de 2007

Pipe testing

Competentes avaliadoras de cachimbos!

Um comentário:

Notebook disse...

Hello. This post is likeable, and your blog is very interesting, congratulations :-). I will add in my blogroll =). If possible gives a last there on my blog, it is about the Notebook, I hope you enjoy. The address is http://notebooks-brasil.blogspot.com. A hug.